Caparica | Egas Moniz assinala dia Mundial da Saúde Oral

A data, 20 de Março, foi assinalada com uma acção local de literacia para a saúde oral e, comunicação do mais recente estudo sobre saúde oral e suas repercussões na saúde

No Dia Mundial da Saúde Oral, celebrado no passado dia 20 de Março, a Egas Moniz School of Health and Science, que tem o seu campus no Monte da Caparica, exerceu a sua actividade de responsabilidade social ao serviço da comunidade, em parceria com a Santa Casa da Misericórdia de Almada (SCMA).

A data foi assinalada através de uma acção de literacia para a saúde, promoção da saúde oral e prevenção de doenças orais, através de diagnóstico e propostas de tratamento atempado. A acção decorreu no Centro Integrado Arco-íris, Centro Social da Trafaria e Complexo “A Casinha”, onde 425 crianças da Santa Casa da Misericórdia de Almada, entre os 3 meses e os 6 anos de idade, foram ensinadas a escovar os dentes por professores e estudantes da Egas Moniz School of Health and Science

Simultaneamente decorreu também uma acção para idosos do centro de dia do mesmo Centro Social, em conjunto com alunos da Licenciatura em Ciências da Nutrição e de Enfermagem do mesmo estabelecimento de ensino. Nela foram realizadas acções que abrangeram o diagnóstico precoce de lesões orais, acções de literacia sobre o auto-exame da cavidade oral, factores de risco para o cancro oral e, medidas de prevenção do cancro, entre outras informações sobre saúde. 

A Organização Mundial de Saúde concluiu em 2022 que as doenças orais representam um grave problema de saúde para muitos países, apesar de serem doenças facilmente preveníveis. Estima-se ainda que as doenças orais afectem cerca de 3,5 bilhões de pessoas em todo o mundo e, que as mesmas devem ser combatidas com acções preventivas, como a desta iniciativa.

Saúde Oral impacta directamente a qualidade de vida

O mais recente estudo “Uma revisão global da evidência que relacionam a saúde oral e as doenças sistémicas não transmissíveis”, publicado na Nature Communications pelo centro de investigação da Egas Moniz School of Health and Science, indica que uma saúde oral comprometida está directamente relacionada com 23 doenças sistémicas e cinco tipos de cancro. Esta é a primeira investigação que, combinando toda a informação científica produzida mundialmente, demonstra existir associação entre a saúde oral e 28 patologias distintas, reforçando a importância que esta tem para a saúde em geral e justificando porque deve ser parte integrante do acompanhamento clínico.

O estudo destaca um conjunto de doenças que podem surgir em pacientes que tenham uma má saúde oral, entre elas: diabetes, cardiovasculares, neurodegenerativas, reumáticas, inflamatória intestinal, e ainda, obesidade e asma. Já entre os cinco tipos de cancro estão o do pulmão, do pâncreas, da mama, da próstata, e da cabeça e do pescoço.

João Botelho, investigador do Centro de Investigação Interdisciplinar do Egas Moniz (CIIEM), refere que os resultados deste estudo “coincidem com o Relatório Global de Saúde Oral da Organização Mundial de Saúde 2022, que alerta para a urgente necessidade de se incorporar definitivamente não só cuidados de saúde oral, mas também a educação para a mesma nos sistemas de saúde. Neste sentido, tendo por base a nossa investigação, pretendemos não só confirmar a correlação entre a saúde oral e outras patologias, mas também reforçar a importância do papel da medicina dentária como garantia da saúde em geral e da aposta na prevenção como complemento ao cuidado e tratamento”. Acrescenta ainda que “esta questão é de extrema importância quando verificamos que os cuidados de saúde oral, mesmo os básicos, não são acessíveis a todos”.

Segundo este mesmo relatório da Organização Mundial de Saúde, as doenças que afectam a cavidade oral são as mais comuns, afectando metade da população mundial. Neste sentido, a investigação da Egas Moniz reforça a necessidade de prevenção de doenças sistémicas com impacto na qualidade de vida dos pacientes, e estima que o número de doenças associadas à saúde oral negligenciada possa aumentar, consoante o número de estudos realizados.

Além disso, estes investigadores alertam também para a prevalência destas patologias em Portugal, que atinge valores elevados quando comparada a outros países europeus. Referem ainda que medidas preventivas em saúde oral têm impacto económico, dando como exemplo que, só em 2018, a periodontite, doença que afecta as gengivas, causou uma perda económica na Comunidade Europeia estimada em 159 biliões de euros.

O Centro de Investigação Interdisciplinar do Egas Moniz conta actualmente com 18 laboratórios totalmente equipados e de última geração, 80 membros integrados e cerca de mais de 100 colaboradores regulares. Através da inovação e geração de conhecimento, fomenta um paradigma de investigação e ensino translacional em colaboração com outras estruturas funcionais da Egas Moniz, que a posicionam como uma interface entre a educação académica, a sociedade, a indústria e os esforços clínicos.

, , , , , , , , , , , , ,

Sofia Quintas

Directora e jornalista do Almada Online